Up next


Art. 150 do CP; Art 250 do CP.

57 Views
McReynolds
McReynolds
subs count
49
Published on 17 Jun 2021 / In Comedy

•Art. 150 do CP
Entrar ou permanecer, clandestina ou astuciosamente, ou contra a vontade expressa ou tácita de quem de direito, em casa alheia ou em suas dependências: Pena-detenção, de 1(um) a 3 (três) meses, ou multa.

•Art. 250 do CP
Causar incêndio, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outrem: Pena- reclusão, três a seis anos, e multa.

Show more
MegaManx
MegaManx 1 year ago

Discordo do mangina, e discordo da entrevistada (na parte que ela fala que ele devia ser preso por bater na Muié, que isso é covarde), acho que o q ele fez foi certo, pois botar fogo na casa dele e matar quase todo mundo lá dentro, e outra se ele n fizesse nada a "justiça" brasileira tbm n iria fazer, e só iria ficar enrolando e enrolando pra no fim eles n fazerem nada pq é uma Muié, fez justiça com as próprias mãos e tacou o foda-se para o restante.

   1    0
McReynolds
McReynolds 1 year ago

O cara tá certo mesmo. Ela está solta por ser menor de idade. VAGABUNDA mimada!!

   1    0
MegaManx
MegaManx 1 year ago

@Incognito X : pior que se fosse um muleque dessa idade que fizesse isso ou talvez menos (uns 15 anos) n só seria preso mais levaria porrada de um monte de gente, mais é como é Muié passam a mão na cabeça.

   1    0
HardesFl
HardesFl 1 year ago

Sobre Mulheres.

de

Arthur Schopenhauer

Estas poucas palavras de Jouy, Sans les femmes le commencement de notre vie seroit privé de secours, le milieu de plaisirs et la fin de consolation, expressam mais exatamente, em minha opinião, o verdadeiro elogio da mulher do que o poema de Schiller, Würde der Frauen, que é fruto de muito pensamento cuidadoso e impressionante por causa de sua antítese e uso de contraste. A mesma coisa é mais pateticamente expressa por Byron em Sardanapalus, Act i, Sc. 2: -

"O primeiro
Da vida humana deve brotar do seio da mulher,
Suas primeiras palavras pequenas são ensinadas de seus lábios,
Suas primeiras lágrimas foram saciadas por ela, e seus últimos suspiros
Muitas vezes expirado na audição de uma mulher,
Quando os homens se encolheram com o cuidado ignóbil
De assistir a última hora daquele que os liderou. ”

Ambas as passagens mostram o ponto de vista correto para a valorização das mulheres.

Basta olhar para a forma de uma mulher para descobrir que ela não se destina a muito trabalho mental ou físico. Ela paga a dívida da vida não pelo que faz, mas pelo que sofre - pelas dores de ter filhos, cuidar da criança e sujeitar-se ao homem, de quem deve ser paciente e alegre companhia. As maiores tristezas e alegrias ou grande demonstração de força não são atribuídas a ela; sua vida deve fluir mais calmamente, mais suavemente e menos obstrusivamente do que a do homem, sem que ela seja essencialmente mais feliz ou infeliz.



As mulheres são adaptadas diretamente para atuar como enfermeiras e educadoras de nossa primeira infância, pela simples razão de que elas mesmas são infantis, tolas e míopes - em uma palavra, são crianças grandes por toda a vida, algo intermediário entre a criança e o homem, que é um homem no sentido estrito da palavra. Pense em como uma menina brinca dia após dia com uma criança, dança com ela e canta para ela; e então considere o que um homem, com as melhores intenções do mundo, poderia fazer em seu lugar.



Com as meninas, a Natureza teve em vista o que é chamado em sentido dramático de “efeito marcante”, pois ela as dotou por alguns anos de uma riqueza de beleza e uma plenitude de charme à custa do resto de suas vidas; de modo que durante esses anos eles possam enredar a fantasia de um homem a tal ponto que o faça correr para cuidar deles, de alguma forma, por toda a vida - um passo que não pareceria suficientemente justificado se ele apenas considerou o assunto. Conseqüentemente, a Natureza forneceu à mulher, assim como ao resto de suas criaturas, as armas e os implementos necessários para a proteção de sua existência e pelo período de tempo em que estarão a seu serviço; de modo que a Natureza procedeu aqui com sua economia usual. Assim como a formiga fêmea após o coito perde suas asas, que então se tornam supérfluas, ou melhor, perigosas para propósitos de procriação, também a mulher perde sua beleza depois de dar à luz a um ou dois filhos; e provavelmente pelos mesmos motivos.

Então, novamente, descobrimos que as jovens em seus corações consideram seus assuntos domésticos ou outros como coisas secundárias, se não como uma simples brincadeira. Amor, conquistas e tudo o que isso inclui, como vestir, dançar e assim por diante, eles dão muita atenção.



Quanto mais nobre e perfeita uma coisa, mais tarde e mais devagar ela atinge a maturidade. O homem atinge a maturidade de seu raciocínio e faculdades mentais mal antes dos vinte e oito anos; mulher aos dezoito anos; mas o dela é motivo de limitações muito estreitas. É por isso que as mulheres permanecem crianças por toda a vida, pois sempre vêem apenas o que está próximo, apegam-se ao presente, assumem a aparência de uma coisa por realidade e preferem as coisas triviais às mais importantes. É em virtude dos poderes de raciocínio do homem que ele não vive apenas no presente, como o bruto, mas observa e pondera sobre o passado e o futuro; e desta fonte de discrição, cuidado e aquela ansiedade que tão freqüentemente notamos nas pessoas. As vantagens, bem como as desvantagens, que isso acarreta, tornam a mulher, em conseqüência de seus poderes de raciocínio mais fracos, menos participante deles. Além disso, ela é intelectualmente míope, pois embora sua compreensão intuitiva perceba rapidamente o que está perto dela, por outro lado, seu círculo de visão é limitado e não abrange nada que seja remoto; portanto, tudo o que está ausente ou passado, ou no futuro, afeta menos as mulheres do que os homens. É por isso que têm maior inclinação para a extravagância, que às vezes beira a loucura. As mulheres em seus corações pensam que os homens têm a intenção de ganhar dinheiro para que possam gastá-lo, se possível durante a vida de seu marido, mas de qualquer forma após sua morte. Por outro lado, seu círculo de visão é limitado e não abrange nada que é remoto; portanto, tudo o que está ausente ou passado, ou no futuro, afeta menos as mulheres do que os homens. É por isso que têm maior inclinação para a extravagância, que às vezes beira a loucura. As mulheres em seus corações pensam que os homens têm a intenção de ganhar dinheiro para que possam gastá-lo, se possível durante a vida de seu marido, mas de qualquer forma após sua morte. Por outro lado, seu círculo de visão é limitado e não abrange nada que é remoto; portanto, tudo o que está ausente ou passado, ou no futuro, afeta menos as mulheres do que os homens. É por isso que têm maior inclinação para a extravagância, que às vezes beira a loucura. As mulheres em seus corações pensam que os homens têm a intenção de ganhar dinheiro para que possam gastá-lo, se possível durante a vida de seu marido, mas de qualquer forma após sua morte.

Assim que ele lhes dá seus ganhos para manter a casa, eles se fortalecem nessa crença. Embora tudo isso acarrete muitas desvantagens, ainda assim tem a vantagem de que a mulher vive mais no presente do que o homem e que gosta mais disso, se é que isso é suportável. Esta é a origem daquela alegria própria da mulher e que a torna apta a distrair o homem e, em caso de necessidade, a consolá-lo quando está oprimido pelos cuidados. Consultar mulheres em questões de dificuldade, como os alemães costumavam fazer nos velhos tempos, não é de forma alguma um assunto a ser negligenciado; pois sua maneira de apreender uma coisa é bem diferente da nossa, principalmente porque gostam do caminho mais curto para o ponto, e geralmente mantêm sua atenção fixa no que está mais próximo; enquanto nós, via de regra, vemos além dele, pela simples razão de que está debaixo de nosso nariz, então torna-se necessário sermos trazidos de volta à coisa para obter uma visão próxima e simples. É por isso que as mulheres são mais sóbrias em seus julgamentos do que nós e não vêem nas coisas nada mais do que realmente existe; enquanto nós, se nossas paixões são despertadas, exageramos um pouco ou aumentamos nossa imaginação.

É porque os poderes de raciocínio das mulheres são mais fracos que elas mostram mais simpatia pelos desafortunados do que os homens e, consequentemente, têm um interesse mais gentil por eles. Por outro lado, as mulheres são inferiores aos homens em questões de justiça, honestidade e consciência. Novamente, porque sua faculdade de raciocínio é fraca, as coisas claramente visíveis e reais, e pertencentes ao presente, exercem um poder sobre elas que raramente é neutralizado por pensamentos abstratos, máximas fixas ou resoluções firmes, em geral, em consideração ao passado e futuro ou por consideração pelo que está ausente e remoto. Conseqüentemente, eles têm as primeiras e principais qualidades da virtude, mas carecem das qualidades secundárias que muitas vezes são um instrumento necessário para desenvolvê-la. As mulheres podem ser comparadas a este respeito a um organismo que tem um fígado, mas não tem vesícula biliar.9 De modo que se descobrirá que a falha fundamental no caráter das mulheres é que elas não têm "senso de justiça". Isso decorre de sua deficiência na capacidade de raciocínio e reflexão já referida, mas também se deve em parte ao fato de que a natureza não os destinou, como o sexo mais fraco, a serem dependentes da força, mas da astúcia; é por isso que são instintivamente astutos e têm uma tendência indelével para mentir. Pois assim como os leões são equipados com garras e dentes, elefantes com presas, javalis com presas, touros com chifres e os chocos com seu fluido escuro e escuro, a Natureza forneceu a mulher para sua proteção e defesa com a faculdade de dissimulação, e todos o poder que a natureza deu ao homem na forma de força corporal e razão foi conferido à mulher nesta forma. Conseqüentemente, a dissimulação é inata na mulher e quase tão característica dos muito estúpidos quanto dos espertos. Conseqüentemente, é tão natural para as mulheres disfarçarem em todas as oportunidades quanto para os animais voltarem para suas armas quando são atacados; e sentem, ao fazê-lo, que em certa medida estão apenas fazendo uso de seus direitos. Portanto, uma mulher que é perfeitamente verdadeira e não dissimula talvez seja uma impossibilidade. É por isso que eles enxergam através da dissimulação nos outros com tanta facilidade; portanto, não é aconselhável tentar com eles. Do defeito fundamental que foi declarado, e tudo o que ele envolve, surgem a falsidade, a falta de fé, a traição, a ingratidão e assim por diante. Num tribunal de justiça, as mulheres são mais frequentemente consideradas culpadas de perjúrio do que os homens. Na verdade, é geralmente questionado se eles deveriam ser autorizados a prestar juramento. De vez em quando, há casos repetidos por toda parte de senhoras que não precisam de nada, embolsando e tirando coisas secretamente dos balcões das lojas.



A natureza tornou o chamado dos homens jovens, fortes e bonitos cuidar da propagação da raça humana; para que a espécie não degenere. Esta é a vontade firme da Natureza, e encontra sua expressão nas paixões das mulheres. Esta lei supera todas as outras em idade e poder. Ai, então, do homem que estabelece direitos e interesses de maneira a impedi-los; pois o que quer que ele faça ou diga, eles serão, no primeiro início significativo, impiedosamente aniquilados. Pois a moral secreta, não formulada, ou melhor, inconsciente, mas inata da mulher é: Temos justificativa para enganar aqueles que, porque se importam um pouco conosco, - isto é, com o indivíduo, - imaginam que obtiveram direitos sobre a espécie . A constituição e, conseqüentemente, o bem-estar da espécie, foram colocados em nossas mãos e confiados aos nossos cuidados por meio da próxima geração que procede de nós; vamos cumprir nossos deveres conscienciosamente.

Mas as mulheres não estão de forma alguma cônscias desse princípio condutor in abstracto, só têm consciência dele in concreto, e não têm outra maneira de expressá-lo senão pela maneira como agem quando chega a oportunidade. Para que sua consciência não os incomode tanto quanto imaginamos, pois nas profundezas de seus corações eles estão conscientes de que, ao violar seu dever para com o indivíduo, eles o cumpriram melhor para com a espécie, cuja reivindicação sobre eles é infinitamente maior. (Uma explicação mais completa sobre este assunto pode ser encontrada no vol. Ii., Cap. 44, em minha obra principal, Die Welt als Wille und Vorstellung.)

Porque as mulheres existem inteiramente para a propagação da raça, e seu destino termina aqui, elas vivem mais para a espécie do que para o indivíduo, e em seus corações levam os assuntos da espécie mais a sério do que os do indivíduo. Isso dá a todo o seu ser e caráter uma certa frivolidade e, no geral, uma certa tendência que é fundamentalmente diferente da do homem; e é isso que desenvolve aquela discórdia na vida de casado que é tão prevalente e quase normal.

É natural que exista um sentimento de mera indiferença entre os homens, mas entre as mulheres é uma inimizade real. Isso talvez se deva ao fato de que o ódio figulinumina, no caso dos homens, se limita a seus afazeres cotidianos, mas com as mulheres abrange todo o sexo; já que eles têm apenas um tipo de negócio. Mesmo quando se encontram na rua, eles se olham como guelfos e gibelinos. E é bastante evidente quando duas mulheres se conhecem pela primeira vez que elas exibem mais restrição e dissimulação do que dois homens colocados em circunstâncias semelhantes. É por isso que uma troca de elogios entre duas mulheres é muito mais ridícula do que entre dois homens. Além disso, enquanto um homem irá, via de regra, se dirigir aos outros, mesmo aqueles inferiores a si mesmo, com um certo sentimento de consideração e humanidade, é insuportável ver com que orgulho e desdém uma senhora de posição irá, na maior parte, se comportar para alguém que está em uma posição inferior (não empregado em seu serviço) quando ela fala com ela. Isso pode ser porque as diferenças de posição são muito mais precárias com as mulheres do que conosco e, conseqüentemente, mudam mais rapidamente sua linha de conduta e as elevam , ou porque embora cem coisas devam ser pesadas em nosso caso, há apenas uma a ser pesada no deles, a saber, com aquele homem que eles encontraram favor; e, novamente, por causa da natureza unilateral de sua vocação, eles se relacionam mais intimamente do que os homens; e assim é que eles tentam tornar proeminentes as diferenças de posição. Por causa da natureza unilateral de sua vocação, eles mantêm um relacionamento mais próximo um do outro do que os homens; e assim é que eles tentam tornar proeminentes as diferenças de posição. Por causa da natureza unilateral de sua vocação, eles mantêm um relacionamento mais próximo um do outro do que os homens; e assim é que tentam tornar proeminentes as diferenças de posição.



É apenas o homem cujo intelecto é obscurecido por seu instinto sexual que poderia dar àquela raça atrofiada, de ombros estreitos, quadris largos e pernas curtas o nome de belo sexo; pois toda a beleza do sexo é baseada neste instinto. Seria mais justo chamá-los de sexo antiestético do que de belo. Nem para a música, nem para a poesia, nem para as belas-artes têm algum sentido e suscetibilidade real ou verdadeira, e é mera zombaria de sua parte, em seu desejo de agradar, se afetam tal coisa.

Isso os torna incapazes de ter um interesse puramente objetivo por qualquer coisa, e a razão para isso, imagino, é a seguinte. Um homem se esforça para obter domínio direto sobre as coisas, seja por compreendê-las ou por compulsão. Mas uma mulher é sempre e em toda parte levada ao domínio indireto, a saber, por meio de um homem; todo o seu domínio direto sendo limitado apenas a ele. Portanto, está na natureza da mulher olhar para tudo apenas como um meio para ganhar o homem, e seu interesse em qualquer outra coisa é sempre um simulado, uma mera forma indireta de atingir seus objetivos, consistindo em coqueteria e fingimento. Daí Rousseau disse, Les femmes, en général, n’aiment aucun art, ne se connoissent à aucun et n’ont aucun génie (Lettre à d’Alembert, nota xx.). Todo aquele que pode ver através de uma farsa deve ter descoberto que esse é o caso. Basta observar a maneira como eles se comportam em um concerto, ópera ou peça; a simplicidade infantil, por exemplo, com que continuam tagarelando nas melhores passagens das maiores obras-primas. Se é verdade que os gregos proibiam as mulheres de ir à peça, eles agiram de maneira correta; pois de qualquer modo seriam capazes de ouvir algo. Em nossos dias, seria mais apropriado substituir taceat mulier no teatro por taceat mulier na eclésia; e isso talvez possa ser colocado em letras grandes na cortina.

Nada diferente pode ser esperado das mulheres, se tivermos em mente que as mais eminentes de todo o sexo nunca realizaram nada nas belas-artes que seja realmente grande, genuíno e original, ou dado ao mundo qualquer tipo de trabalho permanente valor. Isso é mais notável no que diz respeito à pintura, cuja técnica está tanto ao seu alcance quanto ao nosso; é por isso que o buscam tão diligentemente. Ainda assim, eles não têm uma única grande pintura para mostrar, pela simples razão de que lhes falta aquela objetividade mental que é precisamente o que é tão diretamente necessário na pintura. Eles sempre se atêm ao que é subjetivo. Por isso, as mulheres comuns não têm nenhuma suscetibilidade à pintura: for natura non facet saltum. E Huarte, em seu livro famoso por trezentos anos, Examen de ingenios para las scienzias, afirma que as mulheres não possuem as capacidades superiores. Exceções individuais e parciais não alteram o assunto; as mulheres são e continuam a ser consideradas, em conjunto, as filisteus mais completas e incuráveis; e por causa do arranjo extremamente absurdo que lhes permite compartilhar a posição e o título de seus maridos, são um estímulo constante para suas ambições ignóbeis. E, além disso, é por serem filisteus que a sociedade moderna, à qual dão o tom e onde dominam, se corrompeu. No que diz respeito à posição deles, devemos nos guiar pela máxima de Napoleão, Les femmes n’ont pas de rang; e a respeito deles em outras coisas, Chamfort diz muito verdadeiramente: Eles são feitos para trocar nossas fraquezas com nossa loucura, mas não com nossa razão. Existe entre eles e os homens simpatias da epiderme, e muito poucas simpatias de espírito, alma e caráter. Eles são o sexus sequior, o segundo sexo em todos os aspectos, portanto, suas fraquezas devem ser poupadas, mas tratar as mulheres com extrema reverência é ridículo e nos rebaixa a seus próprios olhos. Quando a natureza dividiu a raça humana em duas partes, ela não a cortou exatamente ao meio! A diferença entre os pólos positivo e negativo, de acordo com a polaridade, não é apenas qualitativa, mas também quantitativa. E era sob essa luz que os antigos e o povo do Oriente consideravam as mulheres; eles reconheceram sua verdadeira posição melhor do que nós, com nossas velhas idéias francesas de galanteria e veneração absurda, o mais alto produto da estupidez cristã-teutônica. Essas idéias só serviram para torná-los arrogantes e imperiosos, a ponto de lembrar às vezes os santos macacos de Benares, que, na consciência de sua santidade e inviolabilidade, pensam que podem fazer tudo e qualquer coisa que quiserem.

No Ocidente, a mulher, isto é, a “senhora”, encontra-se em uma posição falsa; pois a mulher, corretamente denominada pelos antigos sexus sequior, não é de forma alguma adequada para ser objeto de nossa honra e veneração, ou para ter sua cabeça mais alta do que o homem e ter os mesmos direitos que ele. As consequências dessa posição falsa são suficientemente claras. Consequentemente, seria uma coisa muito desejável se este Número Dois da raça humana na Europa recebesse sua posição natural, e a senhora reclamação fosse eliminada, o que não é apenas ridicularizado por toda a Ásia, mas teria sido igualmente ridicularizado pela Grécia e Roma. O resultado disso seria que a condição de nossos assuntos sociais, civis e políticos seria incalculavelmente melhorada. A lei sálica seria desnecessária; seria um truísmo supérfluo. A senhora européia, estritamente falando, é uma criatura que não deveria existir; mas deve haver governantas e meninas que desejam tornar-se assim; e eles devem ser educados não para serem arrogantes, mas para serem domesticados e submissos. É exatamente porque há mulheres na Europa que as mulheres de posição inferior, ou seja, a grande maioria do sexo, são muito mais infelizes do que no Oriente. Até mesmo Lord Byron diz (Letters and Papers, de Thomas Moore, vol. Ii. P. 399), Pensamento sobre o estado das mulheres sob os gregos antigos - bastante conveniente. Estado atual, um resquício da barbárie das idades cavalheiresca e feudal - artificial e antinatural. Eles devem cuidar de casa - e estar bem alimentados e vestidos - mas não misturados na sociedade. Também bem educado em religião - mas não para ler poesia nem política - nada além de livros de piedade e culinária. Música - desenho - dança - também um pouco de jardinagem e aração de vez em quando. Eu os vi consertando as estradas no Épiro com bom sucesso. Por que não, assim como a produção de feno e a ordenha?



Em nossa parte do mundo, onde a monogamia está em vigor, casar significa reduzir pela metade os direitos e dobrar os deveres. Quando as leis garantiram à mulher os mesmos direitos que o homem, também deveriam ter dado a ela um poder masculino de raciocínio. Pelo contrário, assim como os privilégios e honras que as leis decreta para as mulheres superam o que a Natureza lhes concedeu, também há uma diminuição proporcional no número de mulheres que realmente compartilham desses privilégios; portanto, os restantes são privados de seus direitos naturais, na medida em que os outros receberam mais do que os acordos da Natureza.

Para a posição não natural de privilégio que a instituição da monogamia, e as leis do casamento que a acompanham, atribuem à mulher, por meio da qual ela é considerada inteiramente como um equivalente pleno do homem, o que ela não é de forma alguma, causa inteligente e homens prudentes devem refletir muito antes de fazerem tão grande sacrifício e consentirem em um arranjo tão injusto. Portanto, enquanto entre as nações polígamas toda mulher encontra sustento, onde existe monogamia o número de mulheres casadas é limitado, e um número incontável de mulheres sem apoio permanece; os das classes superiores vegetam como velhas solteironas inúteis, os das classes inferiores são reduzidos a um trabalho muito árduo de natureza desagradável ou tornam-se prostitutas e levam uma vida tão triste quanto vazia de honra. Mas, nessas circunstâncias, eles torna-se uma necessidade para o sexo masculino; de modo que sua posição é abertamente reconhecida como um meio especial de proteger da sedução aquelas outras mulheres favorecidas pelo destino por terem encontrado maridos, ou que esperam encontrá-los. Só em Londres existem 80.000 prostitutas. Então, o que são essas mulheres que chegaram rápido demais a esse fim terrível, senão os sacrifícios humanos no altar da monogamia? As mulheres aqui referidas e que se encontram nesta posição miserável são o contrapeso inevitável à senhora europeia, com as suas pretensões e arrogância. Portanto, a poligamia é um benefício real para o sexo feminino, levando-o em conta. Só em Londres, há 80.000 prostitutas. Então, o que são essas mulheres que chegaram rápido demais a esse fim terrível, senão os sacrifícios humanos no altar da monogamia? As mulheres aqui referidas e que se encontram nesta posição miserável são o contrapeso inevitável à senhora europeia, com as suas pretensões e arrogância. Portanto, a poligamia é um benefício real para o sexo feminino, levando-a em conta. Só em Londres, há 80.000 prostitutas. Então, o que são essas mulheres que chegaram rápido demais a esse fim terrível, senão os sacrifícios humanos no altar da monogamia? As mulheres aqui referidas e que se encontram nesta posição miserável são o contrapeso inevitável à senhora europeia, com as suas pretensões e arrogância. Portanto, a poligamia é um benefício real para o sexo feminino, considerando-o como um todo. E, por outro lado, não há razão para que um homem cuja esposa sofre de uma doença crônica, ou permanece estéril, ou gradualmente se tornou muito velho para ele, não deva demorar um segundo. Muitas pessoas se convertem ao mormonismo pelas razões precisas de que condenam a instituição não natural da monogamia. A concessão de direitos não naturais às mulheres impôs-lhes deveres não naturais, cuja violação, entretanto, as torna infelizes. Por exemplo, muitos homens pensam que o casamento é desaconselhável no que diz respeito à sua posição social e posição monetária, a menos que ele contrate um casamento brilhante. Ele então desejará ganhar uma mulher de sua escolha em diferentes condições, a saber, sob aquelas que garantirão a segurança dela e de seus filhos. Se as condições forem justas, razoáveis ​​e adequadas, e ela consente em abrir mão daqueles privilégios indevidos que o casamento, como base da sociedade civil, sozinho pode conceder, ela deve, em certa medida, perder sua honra e levar uma vida de solidão ; já que a natureza humana nos torna dependentes da opinião dos outros de uma forma que é completamente desproporcional ao seu valor. Enquanto, se a mulher não consentir, ela corre o risco de ser obrigada a se casar com um homem de quem não gosta, ou de murchar e virar uma solteirona; pois o tempo que ela tem para encontrar um lar é muito curto. Em vista deste lado da instituição da monogamia, o tratado profundamente erudito de Thomasius, uma vez que a natureza humana nos torna dependentes da opinião dos outros de uma forma que é completamente desproporcional ao seu valor. Enquanto, se a mulher não consentir, ela corre o risco de ser obrigada a se casar com um homem de quem não gosta, ou de murchar e virar uma solteirona; pois o tempo que ela tem para encontrar um lar é muito curto. Em vista deste lado da instituição da monogamia, o tratado profundamente erudito de Thomasius, uma vez que a natureza humana nos torna dependentes da opinião dos outros de uma forma que é completamente desproporcional ao seu valor. Enquanto, se a mulher não consentir, ela corre o risco de ser obrigada a se casar com um homem de quem não gosta, ou de murchar e virar uma solteirona; pois o tempo que ela tem para encontrar um lar é muito curto. Em vista deste lado da instituição da monogamia, o tratado profundamente erudito de Thomasius, de Concubinatu, vale a pena ser lido, pois mostra que, entre todas as nações, e em todas as épocas, até a Reforma Luterana, o concubinato era permitido, não, que era uma instituição, em certa medida até reconhecida por lei e associada a nenhuma desonra. E manteve esta posição até a Reforma Luterana, quando foi reconhecida como outro meio para justificar o casamento do clero; então o partido católico não se atreveu a ficar atrasado no assunto.

É inútil discutir sobre a poligamia, ela deve ser tomada como um fato existente em todos os lugares, cuja mera regulamentação é o problema a ser resolvido. Onde estão, então, quaisquer monogâmicos reais? Todos nós vivemos, pelo menos por um tempo, e a maioria de nós sempre, em poligamia. Conseqüentemente, como cada homem precisa de muitas mulheres, nada é mais justo do que deixar que ele, ou melhor, lhe incumbir o sustento de muitas mulheres. Por este meio, a mulher será trazida de volta ao seu lugar natural e adequado como um ser subordinado, e a senhora, aquele monstro da civilização europeia e da estupidez cristã-teutônica, com sua ridícula reivindicação de respeito e veneração, não existirá mais; ainda haverá mulheres, mas não mulheres infelizes, de quem a Europa está cheia neste momento. O ponto de vista dos mórmons está certo.



Na Índia, nenhuma mulher é independente, mas cada uma está sob o controle de seu pai ou marido, ou irmão ou filho, de acordo com a lei de Manu.

É certamente uma ideia revoltante que as viúvas devam se sacrificar pelo cadáver de seu marido; mas também é revoltante que o dinheiro que o marido ganhou por trabalhar diligentemente por toda a vida, na esperança de que ele estava trabalhando para seus filhos, tenha sido desperdiçado com os amantes dela. Medium tenuere beati. O primeiro amor de uma mãe, como o dos animais e dos homens, é puramente instintivo e, conseqüentemente, cessa quando a criança não está mais fisicamente desamparada. Depois disso, o primeiro amor deve ser restabelecido por um amor baseado no hábito e na razão; mas isso muitas vezes não aparece, especialmente quando a mãe não amou o pai. O amor de um pai pelos filhos é diferente e mais sincero; baseia-se no reconhecimento de seu próprio eu interior na criança e, portanto, é metafísico em sua origem.

Em quase todas as nações, tanto do novo como do velho mundo, e mesmo entre os hotentotes, a propriedade é herdada apenas pelos descendentes do sexo masculino; só na Europa se partiu disso. Que a propriedade que os homens têm com dificuldade adquirida por luta e trabalho árduo e continuada deve depois cair nas mãos de mulheres, que, por falta de razão, ou a esbanja em pouco tempo ou de outra forma a desperdiça, é uma injustiça, pois ótimo, pois é comum e deve ser evitado limitando o direito das mulheres de herdar. Parece-me que seria melhor se as mulheres, viúvas ou filhas, herdassem apenas o dinheiro vitalício garantido por hipoteca, mas não a própria propriedade ou o capital, a menos que não houvesse descendência masculina. São os homens que ganham o dinheiro e não as mulheres, portanto as mulheres não têm justificação para possuí-lo incondicionalmente nem são capazes de administrá-lo. As mulheres nunca devem ter a livre distribuição de riquezas, estritamente assim chamadas, que podem herdar, como capital, casas e propriedades. Eles precisam de um guardião sempre; portanto, eles não devem ter a guarda de seus filhos em quaisquer circunstâncias. A vaidade das mulheres, mesmo que não deva ser maior do que a dos homens, tem esse mal em si, que é dirigida às coisas materiais - isto é, à sua beleza pessoal e então aos enfeites, pompa e ostentação. É por isso que eles estão em seu elemento certo na sociedade. É isso que os torna inclinados a ser o que podem herdar, como capital, casas e propriedades. Eles precisam de um guardião sempre; portanto, eles não devem ter a guarda de seus filhos em quaisquer circunstâncias. A vaidade das mulheres, mesmo que não deva ser maior que a dos homens, tem esse mal em si, que é dirigida às coisas materiais - isto é, à sua beleza pessoal e então aos enfeites, pompa e ostentação. É por isso que eles estão em seu elemento certo na sociedade. É isso que os torna inclinados a ser o que podem herdar, como capital, casas e propriedades. Eles precisam de um guardião sempre; portanto, eles não devem ter a guarda de seus filhos em quaisquer circunstâncias. A vaidade das mulheres, mesmo que não deva ser maior que a dos homens, tem esse mal em si, que é dirigida às coisas materiais - isto é, à sua beleza pessoal e então aos enfeites, pompa e ostentação. É por isso que eles estão em seu elemento certo na sociedade. É isso que os torna inclinados a se basear em sua beleza pessoal e, em seguida, em enfeites, pompa e ostentação. É por isso que eles estão em seu elemento certo na sociedade. É isso que os torna inclinados a se basear em sua beleza pessoal e, em seguida, em enfeites, pompa e ostentação. É por isso que eles estão em seu elemento certo na sociedade. É isso que os torna inclinados a ser extravagantes, especialmente porque possuem pouco poder de raciocínio. Consequentemente, um escritor antigo diz: [Grego: Gunae to synolon esti dapanaeron physei] .10 A vaidade dos homens, por outro lado, é muitas vezes direcionada para vantagens imateriais, como intelecto, aprendizado, coragem e semelhantes. Aristóteles explica na Política11 as grandes desvantagens que os espartanos trouxeram para si mesmos ao conceder muito às suas mulheres, ao permitir-lhes o direito de herança e dote, e uma grande quantidade de liberdade; e como isso contribuiu muito para a queda de Esparta. Não pode ser que a influência das mulheres na França, que tem vindo a aumentar desde a época de Luís XIII, tenha sido a culpada pela corrupção gradual da corte e do governo que levou à primeira Revolução, da qual todos os distúrbios subsequentes foram o resultado? Em todo caso, a falsa posição do sexo feminino, tão visivelmente exposta pela existência da “senhora”, é um defeito fundamental em nossa condição social, e esse defeito, procedente do próprio seio, deve estender sua influência nociva em todas as direções. Essa mulher é, por natureza, destinada a obedecer, é demonstrado pelo fato de que toda mulher colocada na posição não natural de independência absoluta se liga imediatamente a algum tipo de homem, por quem é controlada e governada; isso é porque ela precisa de um mestre. Se ela for jovem, o homem é um amante; se ela for velha, um padre.

9 Permitam-me referir-me ao que disse em meu tratado sobre o fundamento da moral, §71.

10 Poeta grego Gnomici de Brunck v. 115.

11 Bk. I., ch. 9



Voltei, é isso.
Espero que leiam todos os dias, para sabe, e relembrar, quem está do seu lado, quem são as mulheres, e os homens.
Gravem em um lugar, e quando precisarem, leiam, e releiam.
Foi um prazer.
?


MGTOW pecado da sabedoria.

Esteve aqui.

END

...

No final de tudo, não julguem.
Analise e questionem.

   2    0
OncaBlindada
OncaBlindada 1 year ago

Covarde é quem deixa o mal e injustiça consigo e próximos serem feitas na cara dura. Prisão só deveria ser aplicada a essa psicopata aí. Cortar cabelo e dar surra foi uma boa punição, mas seria legal ver a guria ser tratada psicologicamente, o que certamente não ocorreu.

   2    0
McReynolds
McReynolds 1 year ago

Eu faria o mesmo, no mínimo essa vadia levaria umas porradas. Com que direito invade a minha casa e bota fogo na mesma?! Ah mas ia apanhar mesmo!!

   0    0
Golfmike7
Golfmike7 1 year ago

O fdp do MANGINA repórter TROUXA preocupado com o cabelo da psicopata capivara...PQP...foda-se caralho! #MGTOWforever

   5    0
McReynolds
McReynolds 1 year ago

Sim, os donos da casa poderiam estarem torradinhos agora, mas não, o cabelo da donzela é o mais importante no momento.

   3    0
Golfmike7
Golfmike7 1 year ago

@Incognito X : E por ser "DIMENOR" nada ocorrerá com a imunda, apenas com o BLUEPILL adulto...pqp! #casequeégostoso

   4    0
MGTOW_Alfa
MGTOW_Alfa 1 year ago

Mas você esperava algo diferente da midia???

   1    0
MGTOW_Alfa
MGTOW_Alfa 1 year ago

@Golfmike7: ''#casequeégostoso'' mas ele eram namorados, o problema não é casamento, o problema são os cara que não abrem mão de buceta! efim eu já até fiz um video falando sobre!

   1    0
McReynolds
McReynolds 1 year ago

@MGTOW_Alfa: É o que? O problema não é casamento? O que faz no MGTOW.TV então?

   1    0
MGTOW_Alfa
MGTOW_Alfa 1 year ago
Show more

Up next